A PRINCESA DE BAMBULUÁ

A História da História

Segundo as crianças, o reino era assim chamado porque tinha muito bambu lá. Ou talvez bambu e luar.

Recolhido por Câmara Cascudo da boca de Francisco Idelfonso, o Chico Preto, narrador analfabeto e negro, em Natal, Rio Grande do Norte, o conto foi registrado em Contos Tradicionais do Brasil.

Desde a primeira vez em que li a história em 2003, para montagem do espetáculo “Avoou: Contos Brasileiros”, da trilogia Dançando Histórias, assisti na tela de dentro cenas inspiradas na cultura afro-brasileira. Na época, meu figurino foi confeccionado por Maria do Carmo, companheira de Moxé Ribeiro, o primeiro músico a me acompanhar nas histórias de boca brasileiras. Mais tarde batizados na capoeira como Badia Nagô e Moxé dos Malês, idealizaram o espaço cultural Quilombo Baobá, em Peruíbe/SP.

Um cabeçote em forma de pássaro, que remete às danças de orixás, e um vestido rendado de contas acompanham o desencantamento da Princesa de Bambuluá, que está rodando até hoje!

Ficha Técnica

A Princesa de Bambuluá

Conto popular brasileiro recolhido por Câmara Cascudo e adaptado por Cristiane Velasco.

Música:

“Balança a rede” (composição de Luiz Gonzaga, com adaptações).

Cantiga Tradicional:

“Marinheiro, encosta o barco” (pesquisa Lydia Hortélio, com adaptações).

Com:

Cristiane Velasco: voz e caixa do divino.

Fernando Almeida: violão, berimbau e arranjos.

Blec Paulo: roi-roi, atabaque, ocean drum, moringa, tamborzinho, apitos, flauta de êmbolo, gaita de caboclinho, aguerê, alfaia, caixa, agogô e ganzá.

Guilherme Sapotone: pena de condor.

Crianças: João Tenucci, João Pedro, Clara, Alice e Tomé.

© 2016 Cristiane Velasco. Todos os direitos reservados.

  • Grey Facebook Ícone
  • Grey Instagram Ícone